Feeds:
Posts
Comentários

Archive for fevereiro \17\UTC 2012

Segue abaixo mais 5 respostas ao Desafio Cinematográfico lançado no Facebook do qual participo.

 

6º – Um Filme de Vampiro. 

Na minha adolescência assisti TODOS os filmes de vampiros com Christopher Lee. Achava-os o máximo. Bons tempos aqueles… Aliás, ninguém fez melhor vampiro que ele. Todavia, entretanto, porém, contudo etc… etc.. é impossível não pensar em Drácula (Bram Stoker’s Drácula) quando queremos fazer referência a um clássico de vampiros.

O filme é de uma beleza plástica fantástica, figurinos soberbos, direção de arte primorosa e uma trilha sonora de respeito. Sem contar a participação mais que especial de Gary Oldman.

Assim, não tem pra ninguém, em falando-se de filme de vampiro só sobra mesmo DRÁCULA (Bram Stoker’s Drácula), com direção de Francis Ford Copolla.

IMPERDÍVEL!

Ø  Drácula (Bram Stoker)

 

7º – Um Filme Que Você Gostaria de Ter Assistido no Cinema e Não Viu

Sempre que surge um novo filme de Woody Allen e Almodóvar eu tenho vontade de assistir no escurinho do cinema com todas as possibilidades que a tela grande possibilita. Infelizmente, nunca me sobra tempo para tanto…

O último de Almodóvar gostaria de ter assistido no cinema. Mas não vou deixar de assisti-lo em DVD, claro!

Ø  A Pele Que Habito – Pedro Almodóvar

 

8º Um Filme Ruim de Um Diretor Bom

As Torres Gêmeas, de Oliver Stone não é propriamente um filme ruim, mas em se tratando de Oliver Stone confesso que esperava mais.

Ø  As Torres Gêmeas – Oliver Stone

 

9º – Um Filme de Baixo Orçamento Que Você Tenha Gostado.

Não gosto muito desta definição de Filme de Baixo Orçamento. Dá uma ideia de filme ruim, tosco ou coisa que o valha. Existem muitos “filmes de baixo orçamento” que são verdadeiras Obras-Primas. Existem filmes de altíssimo orçamento que são umas verdadeiras bombas. Aliás, Hollywood está se especializando nesta área de gastar milhões e milhões de dólares para produzir filmes ruins!

Esta ideia de quererem fazer filmes calcados somente nos efeitos especiais e explosões já deu o que tinha que dar e é preciso voltar a investir em filmes com um bom roteiro, bons atores, uma boa direção , etc…

Para não fugir do desafio, vou postar um filme que já revi inúmeras vezes e é uma verdadeira obra-prima.

Ø  Antes do Amanhecer

 

10º Um Filme Com Uma Ótima Música Tema

Este desafio é fácil, fácil. De imediato me vem à lembrança as trilhas sonoras de Ennio Morricone para o filme Era Uma Vez na América e Vangelis para o filme Blade Runner.

Entre os dois compositores fico com Ennio Morricone e a brilhante composição “Debora’s Theme” do igualmente brilhante filme “Era Uma Vez na América” dirigido por Sérgio Leone.

Ø  Debora’s Theme – Era Uma Vez Na América

 

 

Anúncios

Read Full Post »

Continuando as minhas respostas ao Desafio Literário que criei no Facebook. Veja abaixo mais cinco respostas:

6º Um Livro Que Você Abandonou Antes do Final

Durante oito anos (1989 a 1997) a jornalista Xinran entrevistou centenas de mulheres chinesas e parte destas histórias de dor, humilhação, abandono, casamentos forçados, violência sexual e ignorância estão narradas de forma simples e objetiva, nas duzentas e oitenta e uma páginas do livro As Boas Mulheres da China. Muito dos relatos contidos neste livro vem da própria cultura que diz“numa mulher, a falta de talento é uma virtude” e que a mulher chinesa, de tanto ouvir, acabou acreditando e de alguma forma se submetendo ao pai, marido e ao regime comunista.

Apesar das histórias tristes e comoventes o livro não chega a empolgar visto que as narrativas são ao estilo “livro de auto-ajuda” onde a escritora parece que sempre precisa tirar uma “moral da história” ou sempre tem um conhecimento superior dos fatos e sofrimentos alheios. Por vezes cansa por usar sempre a mesma fórmula de contar estes dramas humanos e por se colocar sempre à margem dos fatos como se ela também não fosse Chinesa e não tivesse conhecimento da condição da mulher em seu país. Ela não conta sua própria história e não abre seu coração, assim como suas ouvintes ou entrevistadas e passa sempre a impressão que não é uma mulher que vive no mesmo ambiente cultural daquelas pessoas.

Seria interessante conhecer a própria história de vida da jornalista Xinran e talvez assim tivéssemos a real fotografia do povo feminino e sofrido deste grande país que é a China. Dizer que os relatos da menina que tinha uma mosca como bicho de estimação, ou da menina que foi estuprada pelo pai ou mesmo da mãe que vivia como catadora de lixo só para ficar perto do filho rico não comoveu é falso. Mas pareceu-me mais um amontoado de histórias trágicas individuais sem que com isso pudéssemos ter um painel mais amplo da vida e da cultura daquele povo milenar.

  •  As Boas Mulheres da China, Xinram

 

8º Um Livro Que Você Recebeu de Presente Recentemente

Não sei se vale, mas o último livro que recebi de presente não foi somente um, mas os 30 livros que minha amada conseguiu colocar no tablet e que já dei cabo de um, A Rainha Liberdade – O Império das Trevas (risos).

Considerando-se livro físico, o último foi Quando Nietzsche Chorou, de Irven D. Yalom no natal retrasado (ou anterior ainda…)

  •  Quando Nietzsche Chrou – Irven D. Yalom

11º Um Livro Que Você Emprestou e Nunca Foi Devolvido

Emprestei o livro 1984 de George Orwell e até hoje estou esperando a devolução. Mas já considero perdido para todo o sempre. Poderia citar este livro também no quinto desafio uma vez que já o reli mais de três vezes.

Só pra constar, comprei novamente porque não tem como não ter este livro na estante.

  •  1984 – George Orwell

12º – Um Livro Que Você Pediu Emprestado e Nunca Devolveu

A resposta a este desafio é, na realidade, uma conseqüência do 11º desafio. A pessoa a quem emprestei 1984 de George Orwell na oportunidade me emprestou o livro “Bar Don Juan” de Antônio Callado. Como ele nunca apareceu para a devolução do meu exemplar também não tive oportunidade de devolver o que me foi emprestado.

Não é por nada, não. Mas fiquei em desvantagem!!!

  •  Bar Don Juan, Antônio Calado.

13º – Um Livro Que Tenha o Melhor Início.

A Montanha e o Rio, de Da Chen é realmente de tirar o fôlego já na primeira página. O Romance todo é muito bom e prende o leitor do início ao fim com a disputa dos irmãos pela mulher amada. Daria um ótimo filme…

Segue o início da primeira página.

CAPÍTULO 1

1960

BALAN, SUDOESTE DA CHINA

Shento

PARA CONTAR A HISTÓRIA do meu nascimento, não vou começar pelo início,

mas pelo fim do meu começo. Para falar a verdade, nasci duas vezes. A primeira foi quando rasguei a passagem escura das entranhas de minha mãe. A segunda foi quando o velho curandeiro da aldeia me salvou. A jovem que me deu à luz pretendia acabar com tudo, não apenas com a sua vida, mas também com a minha, no exato momento da minha chegada a este mundo. Tinha pressa em se atirar do penhasco que ficava no topo do monte Balan, mas eu fui mais rápido do que suas pernas inchadas e escapei de seu ventre bem no momento em que ela avançava para a beira daquele precipício fatídico. As pessoas da aldeia tentariam imaginar o que a teria levado a isso, transformando-se numa espécie de mito ao saltar do ponto mais alto da montanha, comigo ainda ligado a ela pelo cordão da vida, o emaranhado cordão umbilical.

Pulei para fora antes que ela se atirasse no abismo, nascido em pleno ar, pairando acima de tudo. Posso imaginá-la lançando-se daquele penhasco escarpado como uma águia planando em direção ao solo, liberta de seu ninho, de suas amarras, de seus pecados, em seu lamento final, para ser esquecida pelo vento que fazia esvoaçar seu cabelo viçoso de moça, enquanto se arre messava precipício abaixo. Nós dois, anjos geminados e sem asas, caíamos em queda livre. Mas o impensável aconteceu. A mão do destino interveio. Eu, o recém-nascido choroso, caindo no rastro de minha mãe pela encosta do penhasco coberto de trepadeiras, fiquei subitamente agarrado aos galhos de um arbusto de chá que crescia na entrada de uma gruta. Em câmera lenta, num segundo que poderia ter durado uma vida inteira, rompeu-se o cordão umbilical. Apanhado por dois galhos flexíveis, soltei um grito assustador — minha ode ao vigoroso e resistente arbusto de chá. Minha mãe — o anjo de meu nascimento, de minha morte — e eu nos separamos em pleno ar, com o sangue jorrando por todo o lado, respingando nas folhas. Fiquei balançando, suspenso nas alturas, preso nos galhos daquela planta abençoada. Minha mãe mergulhava em direção ao fundo, transformada num pequeno ponto que ia ficando cada vez mais diminuto, até que desapareceu no silêncio do vale que ficava lá embaixo, para nunca mais ser vista. Só muito depois é que eu viria a saber o motivo de minha mãe ter escolhido cantar a canção da morte tão cedo em sua vida. Por ora, eu estava pendendo de um galho, tão periclitantemente quanto se poderia estar. Porém, o destino interveio mais uma vez. A misericórdia divina desceu sobre mim na forma do velho curandeiro da aldeia — magro, ossudo e cheio de fé. Quando ele me ouviu chorando e me viu preso no penhasco açoitado pela ventania, desceu como um macaco para me resgatar. Felizmente, era tão ágil quanto um deles, pois sua atividade exigia que percorresse as cadeias de montanhas, passando por todos os cumes, por todos os vales, indo de caverna em caverna em busca do raro ginseng e da saliva de andorinhas cujos ninhos eram encontrados apenas nos locais quase inalcançáveis escolhidos pelas aves.

Ele desceu pela encosta do penhasco, abrindo caminho por entre os galhos das árvores, por vezes não encontrando os pontos de apoio para os pés e quase despencando numa queda fatal. Mas, naquele dia, os céus permitiram que apenas uma morte ocorresse. Ofegante, conseguiu me agarrar. Este momento é o que eu chamo de meu segundo nascimento, e que me foi concedido pela graça e misericórdia de Buda, pelas mãos de uma pessoa que tinha praticado boas ações dia após dia, cuidando de um vilarejo repleto de gente pobre e doente. Digo que foi a graça e a misericórdia de Buda e foi exatamente isso, pois se fosse um outro homem que tivesse escutado o meu choro e que, mesmo pela vontade de Buda, tivesse em seu coração a disposição e o desejo de salvar aquele pequeno ser, fosse ele um homem de bom coração ou não, poderia nunca ter conseguido fazer o que o curandeiro fez, porque ao coração daquele velho faltava um filho. O grito que lancei no ar, e que foi ouvido por ele, ecoou nos recônditos de sua própria alma, como ele mais tarde me contaria. Não era apenas o berro de um menino qualquer, mas o do seu próprio sangue. Ele estava a apenas alguns centímetros de distância de mim quando uma rajada de vento por pouco não me arrancou novamente das mãos da vida. Mas, segurando na raiz de uma árvore, ele estendeu um dos braços para me pegar, agarrando a minha perninha minúscula a tempo de me aninhar na dobra do seu outro braço. Para ganhar tempo e me salvar, fez o que ninguém tinha ousado fazer antes, descendo centenas de metros pelo penhasco íngreme, arranhando os joelhos e os calcanhares, quase fraturando os ossos, para logo em seguida correr de volta para casa ao encontro da mulher com quem era casado há quarenta anos, antes que os grandes felinos notívagos das montanhas pudessem sentir o cheiro do nosso rastro de sangue. Pegaram a cabra e a ordenharam. A mulher me alimentou com aquele leite como se viesse do seu próprio seio. Naquela mesma hora e naquele exato momento, deram-me o nome de Shento — o topo da montanha, o cume.

-Ele vai querer alcançar o céu, como o nosso sagrado monte Balan

-disse baba.

-E vai subir aos céus como o espírito de nossos ancestrais — acrescentou mama. — Será que podemos realmente ficar com ele como se fosse nosso próprio filho?

-Mas é claro que sim! Ele é uma dádiva da nossa querida montanha, uma recompensa pelas boas ações que praticamos.

-E se encaixa tão bem nos meus braços! — murmurou mama, acariciando meu rosto.

E assim termina a história do meu nascimento e começa a da minha vida.

O SOL SE PUNHA E A LUA subia no céu, e aos poucos fui me tornando um

menino da roça, robusto e forte, com o apetite de uma criança três anos mais velha. Mama me dava comida com uma colher de bambu do tamanho da usada pelos adultos. Não precisava ficar cantando nenhuma canção infantil para que eu comesse. Eu devorava uma colherada depois da outra até soltar pequenos arrotos. Meu prato predileto era bolo de arroz doce. Na nossa aldeia pobre, onde a comida de todos os dias era o inhame, arroz doce era coisa rara e preciosa. Baba tinha que percorrer muitos quilômetros para atender pacientes em povoados distantes e ganhar um dinheirinho extra para que eu pudesse comer aqueles preciosos bolos de arroz. Foi à antiga floresta, cortou as melhores varas de bambu e construiu um cercadinho, grande o suficiente para que eu pudesse engatinhar e dormir. Pôs o cercado perto de sua escrivaninha na enfermaria. Com o auxílio de mama, atendia seus pacientes, dava conselhos e praticava acupuntura comigo ali ao lado. Apoiado numa das paredes da enfermaria, havia um grande armário cheio de gavetas com medicamentos fitoterápicos que baba vendia aos seus pacientes, por grama ou por pitada. As gavetas tinham etiquetas com caracteres chineses antigos e misteriosos que apenas os médicos versados em textos clássicos saberiam reconhecer. Certo dia, aos dois anos e meio de idade, surpreendi baba ao citar e localizar dez das ervas mais comumente utilizadas. Aos três, eu já sabia reconhecer mais da metade delas. Quando tinha quatro anos, alertei baba de que ele tinha pegado uma pitada da erva errada para uma determinada receita. O aviso, disse baba, evitou que uma mulher grávida sofresse um aborto. Baba e mama estavam convencidos de que eu não era uma criança comum. Daquele dia em diante, baba começou a ler para mim os textos clássicos da medicina chinesa e me ensinou a memorizar os pontos usados na acupuntura. Uma noite, deitado na cama antes de adormecer, escutei por acaso baba falando baixinho para mama:

-O destino do nosso filho é ser o melhor médico que essas montanhas jamais irão conhecer. Com a sua inteligência extraordinária, imagine só quantas curas vai descobrir!

-Não! — retrucou mama.

-E por que não? Por que é que você discorda disso?

-O destino do menino vai além do seu desejo limitado — disse ela.

-Um dia, ele vai comandar milhares e governar milhões.

-Você não está sendo um pouco ambiciosa demais, minha querida esposa? — ouvi baba dizer.

-De jeito nenhum. Você não percebe? O nascimento dele foi um acontecimento trágico, e sua história não é diferente da vida de muitos imperadores que, vindos do nada, ascenderam ao trono dourado.

  • A Montanha e o Rio

PS: Alguns desafios, por não existirem respostas, não foram citados.

Read Full Post »

Este jogo de palavras – Escafandro (limitado, preso) e Borboleta (ilimitado, livre) é um truque genial de levar o espectador do filme “O Escafandro e a Borboleta” a pensar que em algum momento haverá uma verdadeira transformação dos personagens (ou do personagem real Jean-Dominique Bauby como se verá depois…). Por isso mesmo, o título do filme é um verdadeiro achado e uma sacada genial. Você não fica com vontade de assistir a este filme só em ler o título e imaginar o que ele sugere? Pois é… Eu também fiquei curioso e confesso que superou, em muito, minhas expectativas.

Caso você tenha lido a sinopse do filme e soube que a trama vai retratar o cotidiano de uma  pessoa que tem uma vida vegetativa e que portanto haverá lágrimas, pieguice e todos aqueles clichês de superação e tudo mais, esqueça! Sim, talvez você chore em alguns momentos. Você verá igualmente força de vontade, superação, etc… etc… mas de uma forma sincera e muito longe dos clichês e do sentimentalismo barato. Devo dizer que não é um filme convencional do gênero “força de vontade” e menos ainda fácil de assistir e assimilar (não no início da projeção pelo menos). O Roteiro não facilita a vida do espectador e nem quer levá-lo às lágrimas e a sentir pena de Bauby sem antes mostrar, de forma mais explícita possível, como é a vida de um ser que vive de forma tão limitada. Poderia dizer uma vida vegetativa…

No decorrer do filme percebe-se que esta é uma falsa ilusão e o termo vida vegetativa não se aplica a Jean-Dominique Bauby que lá pelo meio do filme chega à seguinte conclusão e transmite este raciocínio em off para o espectador: “Tem duas coisas que eu não perdi: o movimento do olho esquerdo e a memória”. Sabemos todos que quem tem memória, possui imaginação e pode libertar-se de seu corpo físico e “viajar” (mesmo no leito de uma cama ou numa cadeira de rodas) para lugares distantes e inusitados. As possibilidades são muitas. Escafandro ou borboleta… A escolha é sua. Neste caso, a escolha foi de Bauby.

Genial a opção do diretor Julian Schnabel de colocar o espectador na pele de Bauby. Na primeira parte do filme (como a viver num escafandro – limitado) somos “convidados” a ter as mesmas limitações do personagem. Literalmente assistimos a tudo pelo olho esquerdo de Jean-Dominique  com imagens fora de foco, distorcidas, opacas e em enquadramentos completamente fora do normal do que se espera do cinema que, como se sabe, é uma arte essencialmente visual. Assim, quem assiste ao filme tem a mesma perspectiva do olhar e de sofrimento do personagem. Mas o espectador tem uma vantagem em relação aos outros personagens visto que o “diálogo” em off nos permite saber exatamente o que ele está pensando e o que está querendo transmitir para as pessoas que o rodeiam e não conseguem saber o que ele quer. Assim, em boa parte do filme, a nossa perspectiva é a mesma do personagem. E as limitações idem. Só lá pela metade do filme é que a câmera se afasta e agora temos a visão do corpo de Bauby e, a primeira visão é um reflexo distorcido quando ele é levado pelos corredores do hospital. Quando ele se vê refletido nós também temos a mesma visão e percebemos então toda a dificuldade e vislumbramos um futuro que pode ser na limitação do escafandro. Aqui Bauby sente que precisa agir de uma forma a fazer a diferença e não se entregar ao seu trágico destino e a ter a liberdade da borboleta.

A ironia mais cruel de tudo isso é que esta é a história real do editor da revista Elle a maior revista de moda do mundo. Um sujeito que ditava moda, comportamento e valorizava muito a estética e o corpo. Após sofrer um derrame cerebral e passar vários dias em coma, Bauby consegue movimentar o olho e a pálpebra esquerda e é assim, através de um sistema de comunicação criada por sua fonoaudióloga, que ele dita suas memórias. Piscar uma vez para sim e duas vezes para não quando precisa fazer algumas escolhas e responder a perguntas simples e diretas. E um trabalho estafante de sua assistente em ter que soletrar o alfabeto até que ele pisque uma vez para a primeira letra de uma palavra e assim sucessivamente até formar frases e ideias. Um livro escrito, literalmente, entre piscadelas. Seria cômico não fosse trágico. O filme tem lá seus momentos engraçados já que o personagem não perdeu seu bom humor e compartilha com o espectador seu lado humorístico apesar da situação em que se encontra.

Um filme que nos faz refletir sobre a vida e as nossas escolhas. Um roteiro que abriu mão dos clichês e soube, de forma competente e sincera, contar um drama muito pessoal e por isso mesmo, universal. Muitas pessoas vivem em seus escafandros por comodismos a chorar pelo trágico destino. Outras preferem viver como as borboletas apesar de se encontrarem nas mesmas condições. Escafandro ou borboleta, qual seria sua escolha?

 

 

Read Full Post »

Quando comecei a assistir Amor Por Contrato, dirigido por Derrick Borte comecei a ter a sensação (lá pelos quinze ou vinte minutos de projeção) que a trama se perderia pelo caminho ou que a história central do filme seria explorada de forma superficial. Não deu outra. O tema é interessante: O consumismo desenfreado e a inveja. Ter as mesmas coisas que seu vizinho tem e viver exatamente como ele vive pode não ser uma boa opção (ou desejo). Este negócio de que o jardim do vizinho sempre é mais verde é uma armadilha que poucos conseguem evitar.  Isso me faz lembrar aquela boa frase de pára-choque de caminhão “a inveja é uma merda”.

O roteiro até consegue delimitar bem esta questão do consumismo e marketing agressivo em situações bem exageradas para não deixar dúvida. Uma pena que os aspectos psicológicos e as tramas paralelas dos personagens se perdem em diálogos rasteiros e vazios. O tema se prestou para ser mais uma comédia romântica com seu final clichê como todas as outras. Perdeu-se uma boa oportunidade para fazer o espectador refletir um pouco sobre estas questões.

Até mesmo o “suspense” pretendido pelos roteiristas para tentar levar o espectador a descobrir o que de errado tinha aquela família perfeita, podre de rica e feliz perdeu-se nos primeiros minutos. As várias perspectivas que se poderia esperar da trama ficou na imaginação de quem esperava encontrar mais argumentos ou reflexões, morais, sociais, econômicas, etc… etc… Uma pena.

A "família Feliz"

A chegada da família Jones (e toda a sua quinquilharia de última geração) ao bairro classe média alta faz com que seus vizinhos morram de inveja de tanta felicidade e luxo. Uma verdadeira família perfeita com uma vida regada aos mais caros prazeres. Kate (Demi Moore) é uma mulher linda, doce e que esbanja simpatia e suas jogas e roupas de grife por onde anda. Steve (David Duchovny) é o maridão apaixonado, boa pinta que desfila com seu carro zero quilômetro de muitos milhões pelo bairro e não faz outra coisa na vida que frequentar o campo de golfe local conquistando a simpatia (e inveja) de todos. Mick (Bem Hollingsworth) e Jann (Amber Heard) são os filhos queridos e descolados “eleitos” os líderes da escola e da faculdade por serem lindos, jovens, ricos e esbanjadores. Só que esta riqueza toda nada mais é que uma grande jogada de marketing para atrair invejosos e consumidores compulsivos que, para possuírem as mesmas marcas e produtos, gastam mais do que precisam e consomem acima de suas possibilidades financeiras. Esta família de mentirinha nada mais é que uma equipe profissional reunida para vender produtos e alcançar suas metas de vendas o mais rápido possível e partirem para outra cidade. Não estou aqui a contar o filme ou tirar a surpresa de espectadores desavisados. De início já se percebe a farsa e os roteiristas não se importaram muito em contar toda a trama já nas primeiras cenas. Portanto, não me atirem as pedras por estragar a surpresa, porque não existem surpresas neste filme.

O final é clichê como toda comédia romântica que se preste. Para quem tiver interesse em ver Demi Moore cada vez mais esquelética e a cara de sonso David Duchovny num papel sem brilho é um filme que tem lá seus momentos engraçados. As situações são absurdas por si só e o que fica é a impressão de que o filme poderia render mais.

Read Full Post »

Veja abaixo a relação dos 20 filmes mais locados em Janeiro de 2012 na Moviola Vídeo:

1º - Planeta dos Macacos - A Origem

2º - Se Beber Não Case II

3º - Lua Nova

4º - Lanterna Verde

5º - Eclipse

6º - Crepúsculo

7º - Os Smurfs

8º - Capitão América

9º - A Ressaca

10º - X-Men - Primeira Classe

11º - Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte II

12º - Esposa de Mentirinha

13º - Rio

14º - Lembranças

15º - A Garota da Capa Vermelha

16º - Os Pinguins do Papai

17º - As Mães de Chico Xavier

18º - Bruna Surfistinha

19º - Caça às Bruxas

20º - Splice - A Nova Espécie

Read Full Post »